O mês de abril (2016) representa um marco na implantação de BIM

Marco na implantação de BIM

 

Abril de 2016 foi o prazo estabelecido pelo governo inglês para que todos os projetos públicos estejam dentro do “BIM Level 2”. Esta meta, que foi lançada em 2011, levando o setor da construção civil inglesa a enfrentar muitos desafios, com os ajustes e adaptações para atingir esse objetivo. Os britânicos venceram esta etapa, superando a fase “BIM Level 2”, por esse motivo, o mês de abril/2016 representa um marco na implantação de BIM (Building Information Modeling).

 

BIM Level 3
BIM Level 3

O projeto é considerado “BIM Level 2” quando todas as disciplinas utilizam o BIM e trocam informações por meio de modelos e desenhos bidimensionais. Não houve, ainda nesta fase, o compartilhamento de um modelo único, que vai ser resolvido na próxima fase, com soluções para algumas barreiras e obstáculos que foram detectados, além de questões tecnológicas.

   

 

Libras
Investimentos em Libra

 

Para a nova fase, os investimentos serão de mais de duzentos milhões de libras e conta com a participação do governo, indústria e academia.

 

 

Os objetivos de “BIM Level 3” são:

 

  • Aprimorar os padrões de dados abertos para facilitar a comunicação e a troca de dados entre os participantes do processo.
  • Criar um novo framework para contatos de projetos e obras.
  • Disseminar a cultura de colaboração e compartilhamento de conhecimento e aprendizagem.

 

ParceriaGovernoIndustriasAcademia
Parceria entre Governo, Indústrias e Academia.

 

Para os britânicos, esta nova fase, lança a oportunidade de explorar o conceito do “Digital” com o slogan “Digital Build Britain”. O objetivo é exportar tecnologias e serviços, além de competir em um mercado global estimado em 15 trilhões de libras em 2025.

O plano estratégico toma como base a sinergia das tecnologias BIM na internet, que permitirá construir com o menor custo, no prazo e na qualidade prevista para o projeto.

 

Para o brasileiros, o marco para implantação de BIM é relevante, não só do ponto de vista da engenharia e da tecnologia, mas como exemplo e inspiração de como as parcerias entre governo, indústria e academia, podem gerar benefícios para o país.

 

 

Via ComputerWord

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *